quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Senadores reavaliam o preço do rafale
 

O caça da Dassault é mais caro do que o esperado: seu preço unitário chegou agora a €152.000.000, tendo em conta a inflação e os novos desenvolvimentos, como o padrão F3



Passou despercebido. Mas no recentemente revelado relatório do projeto de orçamento para 2012, apresentado em 17 de novembro pela Comissão dos Assuntos Estrangeiros, Defesa e Forças Armadas do Senado os autores do documento, Senadores Xavier Pintat e Daniel Reiner, fornecem novas cifras do programa Rafale.
“O custo total do programa, atualizado ao preço de 2011 é de €43,56 bilhões para o Estado, contando o desenvolvimento”, afirmaram os senadores. Tal custo estava em €40,7 bilhões durante a última avaliação. O que eleva o preço unitário de um Rafale para a França para €152 milhões (286 unidades), contra €142 milhões anteriormente.
Estes €10 milhões adicionais foram calculados para um período de 40 anos, resultantes tanto da consideração da inflação, quanto (mais importante) do upgrade para o padrão F3, feito sobre 48 aeronaves entre 2008 e outubro de 2010. Um padrão mais moderno incluiria entre outros uma nova versão da Snecma M88, o Pod de designação a laser Dâmocles, o radar de antena ativa (AESA) RBE2 e o Pod de Reconhecimento Reco NG.

Necessidade de pagamento adicional

Esta escalada dos custos do Rafale continuará até o final de 2012 e além. O programa Rafale sozinho absorve mais de 35% das dotações de pagamento para o componente “Engajamento e Combate” no projeto da lei orçamentária de 2012 (de 1,57 bilhão de euros no total), bem à frente do Submarino de ataque nuclear Barracuda e das Fragatas multi-missão FREMM.
Como é sabido, a ausência de um contrato de exportação do Rafale conduziu ao parto prematuro de 17 aeronaves adicionais desde 2009, para um total que pode chegar a 69 aeronaves até 2014. “Essas antecipações conduzem à necessidade de pagamento de cerca de 1,1 bilhão de euros a mais no período 2011-2013″, dizem os senadores.
“Essa aceleração de entrega do equipamento afetou negativamente a execução do orçamento e levou ao adiamento do programa de renovação da frota de Mirage 2000D. Mas em termos de equipamento militar, se a qualidade é importante, a quantidade também. Cuidados devem ser tomados para não levar – por razões industriais – à formação de um exército de bolso”, eles advertem.
A reavaliação do custo do Rafale, necessária como é, pode não conseguir resolver os problemas de exportação da Dassault, embora este novo cálculo não mude os preços de exportação do Rafale.
FONTE: Usine Nouvelle

Nenhum comentário:

Postar um comentário